segunda-feira, 14 de janeiro de 2008

Sem mais

“Deixa você passar dos trinta, trinta e cinco, ir chegando nos quarenta e não casar e nem ter esses monstros que eles chamam de filhos, casa própria nem porra nenhuma. Acordar no meio da tarde, de ressaca, olhar sua cara arrebentada no espelho. Sozinho em casa, sozinho na cidade, sozinho no mundo. Vai doer tanto, menino. Ai como eu queria tanto agora ter uma alma portuguesa para te aconchegar ao meu seio e te poupar essas futuras dores dilaceradas. Como queria tanto saber poder te avisar: vai pelo caminho da esquerda, boy, que pelo da direita tem lobo mau e solidão medonha”.
(Caio Fernando Abreu, “Dama da Noite”)

Um comentário:

Graça disse...

Essa citação traduziu bem meu pré-desespero. Acabei de fazer 27 anos e tô achando que vou acabar enveredando pra essa classe dos pós-trita-e-cincões que permaneceram encalhados e fodidos na ressaca. Nao por falta de tentativa, mas eu com esse meu íma de atrair homem que nao presta acabei sozinha ate hoje, pós graduada em juntar cacos apos grandes decepções.
me arrepia a perspectiva, credo!