terça-feira, 8 de janeiro de 2008

"Mudou-se de casa e usou regata"

Este será o título do meu filme. Uma releitura vigorosa, corajosa e moderna do acla-ma-dís-si-mo “Matou a família e foi ao cinema”. Bonito à beça, não? Também acho, amiguinhos, também acho. Mas sei que, conforme venho tagarelando há quase um ano, os 30 estão logo aí. E não há nada como tomar uma altíssima dose de vergonha na fuça. Por conta disso, saí do lar, doce lar há quase uma semana. Sim, senhores! Eu sou o orgulho da mulher brasileira. E tem mais: apesar de odiar meus braços – afinal, todos têm o direito de odiar aquilo que bem entendem –, fui obrigada, por este calor infernal, a abandonar os casaquinhos. É óbvio que, se pudesse, optaria pelo múmia-style. Mas a sociedade, preconceituosa que é, jamais aceitaria algo tão arrojado.

2 comentários:

Liloca disse...

Gostaria de registrar aqui que acredito ter tido uma profunda influência nessa decisão. E a fé é o combustível da vida, meu Brasil!

Inara Soul: disse...

Baita novidade! Chamaê pra tomar uma café!?
beijos.
Saudade!